sexta-feira, 5 de agosto de 2016

POESIA - FIM DE TARDE - THIAGO LUCARINI

FOTO: (Thiago Lucarini)

As construções da cidade
Bebem do teu silêncio surdo.

Nas cores evanescentes do crepúsculo
Tentam achar prometida calmaria,

Pois almejam dormir no embalo
Do calor das lâmpadas de mercúrio

Recolher as falanges de concreto
Que tentam arranhar o céu singelo.

O trânsito virulento silencia-se aos poucos
As pessoas cansadas se vão para suas casas

O sol pousa, a lua e as estrelas se levantam,
E as construções da cidade no fim de tarde

Assim como os peixes, embalam seus sonhos
De olhos arregalados, pois almejam dormir.

Nenhum comentário:

Postar um comentário