segunda-feira, 11 de abril de 2016

POESIA - A PROSTITUIÇÃO DA EDUCAÇÃO - ELIS REGINA SILVA & THIAGO LUCARINI


A profissão mais antiga
Onde se ganha por hora
Mais que tem alguns víeis
Cruéis impostos além da moral
Ao prostituído pergunto:
Você dá ou vende?
Bate ponto diário?
Tem um lugar ideal,
Confortável, limpo ou sujo?
Chama na tora mesmo
Sem qualquer preliminar?
Faz sentindo prazer
Ou apenas por obrigação?
É de vida fácil?
Há dias em que dói muito?
Dá até suar, rapidinha,
Demorada, ainda sente tesão,
Ou é só um corpo em observação?
Gosta de muitos ou poucos de uma só vez?
Tem real poder sobre a quantidade?
Parece uma loucura ou uma chatice?
Grita, murmura, dialoga ou fica mudo?
Prefere os grandões, médios ou pequenos?
Já adotou vícios para esquecer?
Está relaxado ou segue firme?
Vai na louca pressão ou de boa?
No fim as pernas ficam bambas?
É capaz de sustentar a própria vida?
Depois que terminam com você
Riem da sua cara? Agradecem
Por este máximo doar do seu ser?
Pagou os pecados? Vive no inferno?
Prende-se ao gozo de dias seguros?
Sei que pensas rotineiramente
Que certas coisas não melhoram
O valor da hora não muda
E o Cafetão Público a maior parte
Do teu parco provento retém.
Pobre professor abusado,
Prostituído em seu ofício
Alguém se dispõe a dar ou vender
A você um pouco de retribuição

Pela ação de construir uma Nação?

Nenhum comentário:

Postar um comentário