sábado, 23 de janeiro de 2016

POESIA - CHUVA RENDILHADA - THIAGO LUCARINI



Rendilhada
Vem do céu
A chuva
Bordada
Pelas nuvens
Tecelãs.

O véu de noiva
Líquido e branco
Pousa sobre a face
Do solo ansioso
Pela cópula substancial
Entre Céu e Terra.

O horizonte
Com catarata
De chuva baça
Cega os limites
Do mundo natural
De alva ternura.

Chuva rendilhada
Joias de precipitação
Vela e rega o mundo
Enchendo os rios
Envolvendo a semente
Em dormência.

Água fria
Nesta pele quente
Envolve os seres
No seu abraço
De líquida vida. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário