sábado, 26 de dezembro de 2015

POESIA - ARTE TÂNTRICA - THIAGO LUCARINI



A Marcos Avelino Martins

Ele se embola nas palavras
Cheias de seivas e gozo pudico
Num amontoado de corpos e signos
Lubrificando as ideias e conceitos
Numa entrega de êxtase, devoção e paixão.
Moldando a sua forma e a delas
Amantes conspiradoras de júbilo
Em posições difíceis, novas e desafiadoras
Com alinhamento e contornos diversos.
Sua língua, por vezes, é pincel quente
A umedecer a fluidez de ritmo
Do corpo-tela delas saliente.
Ele se entrega completamente aos seus fetiches
Elas adoram serem usadas com classe e exotismo.
Ele, poeta voluptuoso de Saber ágil
Elas, as Palavras desta arte tântrica,
Que se chama: escrever
Envolver num último ato sagrado, ambos.
Íntimos e imaculados têm
Seu nirvana de amálgamas,
Sua catarse límpida; brilha a Kundaliní.
Os amantes explodem conjuntamente
Num misterioso gozo artístico
Que cola e apara as arestas duras

Deste mundo pouco experimental.

2 comentários:

  1. Lindo poema, amigo Thiago. Grato pela homenagem! Grande abraço.

    ResponderExcluir
  2. Lindo poema, amigo Thiago. Grato pela homenagem! Grande abraço.

    ResponderExcluir