quinta-feira, 27 de agosto de 2015

POESIA - A OLARIA E O HOMEM DE BARRO - THIAGO LUCARINI

 Um homem marcado pela vida
Retira argila do leito do rio
Amassa-a, prepara-a, modela-a
Com suas mãos magras
Dá forma a carne do rio extraída
Depois a cozinha em fornalha
E a refresca com o suor de sua testa.
Ao fim do dia o homem de barro
Calejado, sofrido, cheio de fuligem
Com o corpo e olhos vertendo
Sangue de entrega absoluta
Admira sua pilha de tijolos fresquinha
Orgulhoso por repetir
Com quase precisa perfeição
Ao custo dos seus ossos, carne e sal

O primeiro trabalho de Deus.

3 comentários:

  1. Bah, muito bom. Me pediram para fazer uma apresentação para o aniversário de Pedro Osório-RS sua arte vai casar muito bem com a proposta reflexiva as origens do município, pautada nas olarias.

    ResponderExcluir